O uso do senso critico a favor de uma nova sociedade

Séculos atrás no Brasil, o voto feminino bem como sua inclusão no mercado de trabalho, o fim da escravidão e do preconceito étnico parecia algo muito remoto. A sociedade foi se transformando e nesse processo de constante mudança existiram vários protagonistas.
O homem tornou-se cada vez mais critico e passou a defender cada vez mais seus ideais, e hoje o que temos é um cenário diferente ao de tempos atrás. O segredo de uma sociedade em constante evolução esta no equilíbrio, aprender a desenvolver o senso critico sem perder a postura de um bom cidadão, defender suas ideias, lutar por melhorias na educação, saúde, trabalho, segurança. Protestar, manifestar e nunca calar-se diante de alguma injustiça. Tudo isso são atitudes tolerantes para a evolução da sociedade.
Atualmente esta ocorrendo em algumas universidades do nordeste uma greve de professores, que protestam por melhores salários e condições de trabalho, como tudo na vida tem o lado positivo e negativo, nesse caso não seria diferente, pois alunos perdem dias letivos. Mas nenhuma melhora é isenta de sacrifícios, toda mudança requer coragem, estar a par do que acontece na vida política, bem como, nos segmentos da educação, meio ambiente etc. É dever de todos e lutar de maneira tolerante para melhorias é papel fundamental para a construção de uma nova sociedade. Evoluímos mas ainda há muito para ser melhorado.


Comentários

  1. Há de abrir-se mão de muitas coisas por outras tantas. Tudo parece seguir a Lavoisier, que saído da química invadiu as diversas instâncias da própria vida. Para se ter um benefício é necessária a troca. Um verdadeiro escambo. Não quer dizer que tudo o que vai retorna reciprocamente, é como uma pedra lançada ao rio: ela pode quicar inúmeras vezes ou afundar no primeiro tiro. Não deixou de ser, contudo, a mesma pedra.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O pedido de casamento dos meus sonhos...

Um paraíso chamado CHAPADA DOS VEADEIROS... Onde ficar?

"Se eu pudesse te dizer, aquilo que nunca te direi.Tu poderias entender, aquilo que nem eu sei". Sigmund Freud (caso Dora)